SBEM-PR Informa - Dúvidas sobre diabetes

  

  • O que é Diabetes?

Diabetes é uma doença em que o açúcar do sangue (glicemia) fica muito alto. É um problema de saúde pública muito importante, pois além de ser uma doença muito frequente, a pessoa com glicemia alta pode ficar muito tempo sem sintomas sem saber que já tem a doença. Isso faz com que muita gente leve um “susto” na hora que recebe o diagnóstico.

 

  • Quem tem risco de ter diabetes?

Pessoas obesas, sedentárias, que se alimentam sem qualidade (dieta com muita gordura, muito açúcar, comidas processadas, entre outras) têm risco elevado de diabetes. Pessoas que têm histórico de diabetes da família (pais ou irmãos) ou diabetes na gestação também têm maior risco de desenvolver a doença ao longo da vida.

 

Quer calcular seu risco de ter diabetes? Veja abaixo o Findrisc Score.

 

 

 

 

  • Quais os sintomas do diabetes?

O diabetes pode não dar sintomas nos primeiros 5 a 10 anos. Por isso é importante saber se seu risco de desenvolver a doença é alto ou não (Calcule seu risco pelo Findrisk). Se você tem alto risco para diabetes, é recomendado que você faça uma dosagem de glicemia de jejum 2x ao ano.

Alguns sintomas leves podem ocorrer, como tonturas, dificuldade visual, fraqueza, infecção vaginal frequente (candidíase). Com o tempo a glicose se eleva, e pode haver sintomas de sede importante (polidipsia), aumento da quantidade de urina (poliúria), várias idas ao banheiro para urinar a noite (nictúria), emagrecimento e muita fome.

Na presença destes sintomas, o paciente deve procurar auxílio médico imediatamente.

 

  • Quais os tipos de diabetes ?

O diabetes pode acontecer por uma inflamação do pâncreas chamada pancreatite, pode ocorrer durante a gestação (diabetes gestacional), pode ser dos tipos 1 e 2 , e ainda existem outros tipos mais raros de diabetes relacionados à genética.

O Diabetes tipo 1 pode acometer crianças, adolescentes e adultos. Ocorre quando o corpo produz um anticorpo para um vírus, por exemplo, e acaba também agredindo a célula que produz insulina no pâncreas.

O Diabetes tipo 2 é mais frequente, e acomete adultos acima dos 40 anos. Porém, com o aumento do número de crianças e adolescentes obesos no mundo, o Diabetes tipo 2 também tem sido visto nesta faixa etária. A maior parte dos pacientes com este tipo de diabetes tem história de diabetes na família e é obeso ou sedentário.

 

  • Como se diagnostica diabetes?

Através da dosagem de glicemia de jejum (dois testes com resultado acima de 126 mg/dL ou quando um valor dá acima de 200mg/dL) ou dosagem de Hemoglobina Glicada (maior ou igual a 6,5%). Em alguns casos, um teste adicional chamado TOTG pode ser solicitado para tirar a dúvida.

 

  • Como se trata diabetes?

Todo paciente diabético precisa manter uma vida saudável. Manter uma dieta balanceada e atividade física regular fazem parte do tratamento de todos os pacientes com diabetes.

Sobre medicamentos, o paciente com Diabetes tipo 1 é tratado sempre com insulina, porque neste caso o pâncreas não a produz mais. Pacientes com Diabetes Tipo 2 são tratados com medicamentos por via oral ou injetáveis, ou combinação destes. A insulina também pode ser necessária para o tratamento do diabetes tipo 2.

 

  • Como evitar o diabetes?

A melhor forma de prevenção do diabetes é mudança de estilo de vida com atividade física por 150 minutos por semana, além de manter uma dieta rica em fibras e evitar alimentos ultraprocessados.

Mesmo que você tenha história de diabetes na família, manter uma dieta bem equilibrada, evitar o excesso de peso, manter atividade física regulamente, parar de fumar e manter acompanhamento médico regular podem manter o diabetes mais longe de você.

 

  • Quais as complicações do diabetes?

Quanto mais alta e por mais tempo a glicemia ficar fora de controle, maior o risco de complicações. Por isso, quanto mais cedo se conseguir o controle da doença com tratamento especializado, menor o risco destas graves consequências acontecerem.

Os órgãos mais afetados são os rins (a chamada Nefropatia Diabética pode fazer os rins pararem de funcionar com o tempo), a retina do olho (a Retinopatia Diabética pode piorar a visão com o tempo e levar à cegueira) e os nervos dos pés (o Pé Diabético fica amortecido e pode levar a feridas nos pés e pernas que não cicatrizam, com risco de amputações).

Além disso, o paciente com diabetes tem maior risco de ter doenças cardiovasculares que pessoas sem diabetes (Infarto Agudo do Miocárdio, AVC, Insuficiência cardíaca, entre outras). Isso significa que quando a pessoa com diabetes vai ao médico especialista, além da glicemia, a pressão arterial e o colesterol também devem ser tratados.

 

  • Diabético tem maior risco de ter COVID?

O risco de uma pessoa com diabetes se contaminar pelo coronavírus é o mesmo de uma pessoa que não tem diabetes. Porém, a glicose elevada aumenta o risco da infecção por COVID 19 evoluir para uma forma mais grave. Por isso, os portadores de diabetes são considerados grupo de risco na infecção por COVID-19.

Se você ficou com alguma dúvida ou se você tem diabetes, procure um endocrinologista. Clicando aqui, você poderá encontrar uma lista de profissionais habilitados a atendê-lo.

 

Dra. Ana Carolina Ossowsky Rebolho

Dra. Silmara Leite